OPINIÃO
Anunciante
EDITORIAL
Derrubem logo a antiga estação e ajudem Araçatuba a se desenvolver

Defensores da história da cidade, que pouco fazem por ela, travam guerra na internet contra proposta

Anunciante

A Prefeitura de Araçatuba manifestou, neste início de semana, o interesse em demolir a antiga estação ferroviária à beira da avenida dos Araçás, no centro da cidade. Bastou a notícia ganhar vazão para que o assunto se espalhasse nas redes sociais como o assunto mais importante da cidade, com uma legião de defensores pela manutenção, de pé, de um trambolho que não serve para outra coisa senão abrigar pessoas que ali passam as noites ou que se acomodam no espaço, grande, diga-se de passagem, para fazer uso de drogas.

Eis que de forma relâmpago surgiram historiadores, arquitetos, engenheiros, pessoas comuns da sociedade e gente que pouco ou quase nada entendem de urbanismo para defender a manutenção de pé de uma estrutura que há tempos não recebe manutenção e, o pior, que se continuar como está, com o passar dos anos, pode cair de uma hora por falta de cuidados. Queira Deus que isso não venha a acontecer com ninguém ali debaixo, pois se ocorrer uma desgraça, caberá à Prefeitura ter que responder e pagar pelo ocorrido.

O portal de notícias 018 News está defendendo a Prefeitura de Araçatuba na questão? Não. Está defendendo uma posição editorial de que a estação que ganhou a boca do povo de um dia para outro deve, sim, ser demolida. Simples, assim.

E a razão para tal posicionamento é simples. Manter um trambolho daquele tamanho de pé, sob alegação de que conta a história da cidade, é discurso vago. A preservação da história de uma cidade não se faz com a manutenção de um prédio de pé, sendo corroído pela ação do tempo, sem receber qualquer tipo de manutenção.

Alguém, por acaso, sente saudades do antigo Hospital Modelo? Tudo bem que nada foi feito no terreno onde ele se manteve por décadas, apesar da promessa não cumprida pelo Estado de naquele local instalar um anexo do Fórum de Araçatuba.

Sobre a estação da discórdia, uma pergunta: quem dos que defendem sua manutenção intacta, como uma grandiosidade da história de Araçatuba, ali vai com frequência para fazer uma simples caminhada naquela plataforma gigantesca? Quem já pegou seu filho pela mão numa manhã de domingo e lá esteve com a criança dando a ela uma lição de história sobre o passado da cidade? Se alguém já fez ou faz isso na vida é de se contar nos dedos.

As discussões sobre a demolição da antiga estação, ou a defesa insana por sua manutenção de pé, abandonada, sem receber manutenção, uma vez que, para fazer o que nela é preciso, demandaria recursos que poderiam muito bem ser destinados a asfaltar ruas de pessoas que reclamam por ainda viverem na terra ou tapar buracos de vias importantes, como a própria avenida dos Araças, que carece de um recapeamento de qualidade há tempos.

Uma outra demonstração de que a história em prédios de Araçatuba pouco importa, de fato, para a população é a situação que se encontra o tão falado Centro Cultural Ferroviário, que há décadas vive de promessas de que será restaurado, reformado, transformado num grande espaço para eventos públicos.

Ano vai ano vem os passos para a restauração do Centro Cultural Ferroviário são dados ao estilo tartaruga. É devagar, quase parando que a coisa anda. Se é que podemos dizer que anda, uma vez que as tratativas para a recuperação do espaço se iniciaram na administração passada e se arrastam na atual.

Em resumo, a Prefeitura fica na dependência de uma loja que se instalou ao lado do “espaço cultural” e que prometeu dinheiro para sua restauração. Depende tanto que a antiga oficina de locomotivas já está até sem o telhado e se a coisa demorar mais, não sobrará o que restaurar, tendo que ser reconstruída do zero.

Ainda sobre o Centro Cultural Ferroviário, a conversa é de que a mesma loja que prometeu investir em sua recuperação é quem está por trás dos planos de demolição da antiga estação ferroviária. Se é verdade, deveria vir a público e dar sua parcela de colaboração para que a construção seja dinamitada o quanto antes.

O que a população de Araçatuba não pode é ficar refém de um jogo de interesses, sendo o político o mais repugnante deles. Em tese, como afirma a Prefeitura, a demolição da estação seria parte de um plano de modernização da região central da cidade. Fato meritório.

O que o araçatubense não pode é ser levado pelos discursos dos arautos da internet a uma leitura enganosa de questões que podem prejudicar o desenvolvimento da cidade, uma sede regional que estacionou no tempo décadas atrás e que, por bandeiras como a que está sendo levantada no momento, vivencia o ostracismo em comparação com outras cidades da própria região.

O 018 News defende a ideia da demolição da antiga estação, até mesmo porque aquela construção não é tombada como patrimônio histórico. O tombamento ocorrerá se for mantida de pé sem manutenção. Serviço que seria o mesmo que rasgar dinheiro, enxugar gelo e por aí vai.

Ideologias políticas à parte, as opiniões estão aí para serem dadas. Cada um defende a sua. A nossa é de que o trambolho ferroviário – que não serve nem para receber excursão de estudantes das escolas do próprio município interessados nessa história que de ontem para hoje começou a defendida a ferro e fogo – deve ir ao chão.

E que o centro de Araçatuba receba investimentos para dizer à população que o desenvolvimento, a modernidade, o novo são necessários na vida das pessoas. Uma consulta sobre qual seria a colaboração financeira de quem defende a referida construção de pé, em sua manutenção, seria bastante interessante.

Muito provavelmente, não vai aparecer gente interessada em botar a mão no bolso para ajudar a reformar, ou simplesmente custear ações que acabem com as rachaduras e infiltrações visivelmente encontradas numa estrutura que só dá sinais de que nem ela mesma aguenta continuar como está.

Defender o passado, o histórico, antes de qualquer coisa, carece de racionalidade. O que não está acontecendo, de fato, nas discussões sobre a monstruosa e, atualmente, imprestável antiga estação ferroviária de Araçatuba. Em especial pelo fato de o Museu Ferroviário, local apropriado para que a história seja contada, está em ruínas há décadas e ninguém pede a sua restauração com tamanha desenvoltura. É a nossa opinião, gostem dela ou não.


Anunciante
O 018News não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Copyright © 2018 018News. Todos os direitos reservados.