Araçatuba
PERDA NA MEDICINA MORRE, AOS 94 ANOS, O GINECOLOGISTA E OBSTETRA CRESO MACHADO PINTO

Desde o final de 2019, o médico e a esposa moravam na cidade de Guarulhos, com uma filha

Anunciante

Morreu neste sábado (24), em Guarulhos, o ginecologista e obstetra Creso Machado Pinto, que atuou por várias décadas em Araçatuba, tanto em hospitais públicos e particulares quanto em sua clínica particular. Ele também trabalhou como médico auditor da Santa Casa.

Creso foi diretor do Hospital da Mulher por mas de 10 anos. Era atuante em comissões de estudos governamentais e não-governamentais que atuavam em gestão e estudos sobre ginecologia e obstetrícia. 

Foi um defensor ferrenho da necessidade dos municípios investirem em estruturas eficientes para realização de pré-natal completo às gestantes. Em várias oportunidades atribuiu ao “pré-natal deficiente" realizado nas cidades a causa de índices sempre crescentes de bebês prematuros.

O médico também foi pioneiro na formação de especialistas em ginecologia e obstetrícia. Por vários anos, coordenou o curso de Residência Médica de Ginecologia e Obstetrícia que funcionou na Santa Casa de Araçatuba até o final dos anos 90 e foi retomado há quatro anos.

Creso Machado Pinto estava com 94 anos e desde dezembro de 2019 residia em Guarulhos. Ainda lúcido e realizando tarefas cotidianas, o médico já ressentia de alguns problemas decorrentes da idade e decidiu ir com sua esposa residir com sua filha.

HISTÓRIA

Doutor Creso Machado Pinto estudou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A faculdade formou a maioria dos médicos brasileiros nos anos 40, 50, 60 e 70, dentre os quais os saudosos Satoru Okida, Elmano Moreira Brandão e Jorge Maluly Netto, que atuaram por várias décadas, a maioria deles, em Araçatuba.  O pediatra Luís Geraldo Nogueira Fonseca e o otorrino Paulo IIda, que seguem atuando como médicos na cidade, também estudaram na mesma faculdade. 

Creso antecedeu a todos eles na faculdade carioca.  Os primeiros partos que realizou foram nos anos 40.  Em 2018, ao ser indagado sobre quantos partos realizou em toda sua trajetória, respondeu com bom humor: “Eu sei lá! Perdi a conta. Acho que nunca contei. Mas lembro do primeiro parto. Foi na calçada, na frente de um hospital no Rio de Janeiro. Não deu tempo para a gestante entrar. Eu estava chegando para estágio e ajudei a criança nascer”.

Considerado como pessoa afável e acolhedora, doutor Creso era admirado pelos colegas por um imbatível raciocínio clinico, característica marcante nos profissionais de sua época que formaram e atuaram por muitos anos sem quase nada de recursos para diagnóstico, se comparados à estrutura que a medicina disponibiliza hoje para todas as especialidades.

A experiência acumulada por quase 70 anos de exercício da profissão também o transformava em um dos primeiros nomes consultados por outros obstetras da Santa Casa de Araçatuba quando diante de situações intrincadas. 

Creso sempre atendeu a esses chamados com humildade e muita alegria, pois gostava de compartilhar de seus conhecimentos. O gosto não era tudo. “Com essa idade preciso exercitar permanentemente o raciocínio. Isso certamente fará com que eu viva mais tempo e não fique gagá”, costumava dizer aos colegas de trabalho.

Por isso, virou quase lenda nos corredores da Santa Casa de Araçatuba que: “quer deixar o Dr. Creso feliz? Diga a ele que está com um problema de saúde e não sabe o que é”.  Não raro, ele era abordado com situações dessa natureza e independente de estar em uma mesa ou em pé, fazia várias perguntas ao “paciente” e muitas vezes ali mesmo, detectava o que poderia ser, e orientava a procura por um especialista da área para realizar exames específicos.


O 018News não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Copyright © 2018 018News. Todos os direitos reservados.